fbpx

Como transformar uma ideia em escrita

Quando você recebe um comunicado, vai logo procurando o recado que o autor quer passar, pois você precisa captar a mensagem dele e decidir o que fazer com ela; até deletar, se for o caso. Quanto mais fácil de ler, mais rápido você segue a vida. No post de hoje, vou explicar como construir a […]

Quando você recebe um comunicado, vai logo procurando o recado que o autor quer passar, pois você precisa captar a mensagem dele e decidir o que fazer com ela; até deletar, se for o caso. Quanto mais fácil de ler, mais rápido você segue a vida.

No post de hoje, vou explicar como construir a ideia principal de um texto. Mas antes de escrever, é preciso planejar: entender por que você vai escrever, quem vai ler, o que você quer dizer e em qual meio a mensagem será lida. Para isso, escrevi um artigo sobre este tema.

Se você já entendeu como planejar sua ideia antes de escrever, vamos, agora, começar a construí-la.

Aqui, no Brasil, geralmente, escrevemos na ordem direta com: Sujeito Verbo Complemento.

Observe: quase sempre anunciamos primeiro ‘quem’ – é o Sujeito que pode ser uma coisa ou uma pessoa que pratica ou sofre a ação da nossa frase.

Em seguida, vem o Verbo, que é a ação.

Por fim, vem o Complemento, se o verbo precisa ser completado pra frase ter sentido.

Vamos entender melhor o que é essa sequência Sujeito Verbo Complemento, em 3 exemplos bem simples.

  • Eu gosto de sorvete.
  • Nosso site oferece as melhores ofertas.
  • A companhia aérea faliu.

As 3 frases começam anunciando quem pratica ou sofre a ação: esse é o Sujeito. Lembrando que o Sujeito pode ser uma coisa; não é sempre que o sujeito é um ser humano, uma pessoa. É só lembrar que o Sujeito é o responsável pela ação da história que você vai contar.

Note que dos 3 exemplos, só um sujeito é gente: ‘Eu’. Nos outros dois, os sujeitos são coisas: ‘Nosso site’ e ‘A companhia aérea’.

Depois do Sujeito vem a ação, que é o Verbo. Nos nossos exemplos, as ações são: gostar, oferecer e falir. Eles aparecem já conjugados nas frases pra combinar com os seus Sujeitos: gosto, oferece e faliu.

Agora só falta o Complemento, mas você só vai precisar dele se o verbo exigir alguma coisa pra dar sentido à ação. Dos nossos 3 exemplos, só 2 verbos exigem complemento: gostar e oferecer.

Verbo gostar: não dá pra dizer ‘Eu gosto’, sem dizer do que gosto, porque fica sem sentido; daí o verbo exige um Complemento.

O exemplo ficou assim: Eu gosto de sorvete. Sorvete é o Complemento do verbo gostar, na estrutura Sujeito Verbo Complemento do nosso primeiro exemplo.

Com o verbo oferecer é a mesma coisa. Também não dá pra dizer ‘Nosso site oferece’, sem dizer o que oferece. Aqui, o Complemento é ‘as melhores ofertas’: Nosso site oferece as melhores ofertas.

No último exemplo, o verbo “falir” não pede complemento, porque ele é um verbo que já diz tudo: faliu; não tem o que explicar; o leitor já entendeu: ‘A companhia aérea faliu’. Só tem Sujeito e Verbo.

Portanto, se você se comunicar usando essa mesma sequência que todo mundo usa pra falar, o cérebro de qualquer leitor vai entender muito mais rápido o que você quer dizer.

Observe como é difícil de compreender o nosso Hino Nacional:

“Ouviram do Ipiranga as margens plácidas de um povo heroico o brado retumbante

Difícil saber Quem Faz o Que. Nosso cérebro tem que se contorcer pra conseguir entender. O poeta que compôs este hino sabia qual era a ideia. Mas ele trocou a ordem simples da fala direta, porque curtia a linguagem indireta, moda do Parnasianismo, um movimento literário.

Em ordem simples, o verso ficaria assim:

 “As margens plácidas do Ipiranga ouviram o brado retumbante de um povo heroico”

Agora, vamos analisar uma manchete de jornal pra você sentir como ela anuncia a ideia principal, usando a estrutura Sujeito Verbo Complemento, que nada mais é do que o foco da notícia, a ideia principal.

Avanço da dengue deixa cerca de mil cidades em patamar de epidemia.

Já sabe quem é o Sujeito que pratica a ação desta notícia? Se você não tem certeza, é só perguntar ao verbo. Neste caso, é o verbo deixar: quem é que deixa cerca de mil cidades em patamar de epidemia? Resposta: Avanço da dengue. Pronto! Achou o sujeito, que não é gente. E já tem o verbo.

Agora só falta o Complemento, porque o verbo deixar não é suficiente pra dar sentido à notícia. É só perguntar Avanço da dengue deixa o quê? Resposta: cerca de mil cidades em patamar de epidemia. Pronto: completou a estrutura Sujeito Verbo Complemento.

Jornal é um espaço caro; tem que passar logo a informação, sem enrolação, pra convencer o leitor.

Com você não é diferente; você tem que comunicar o máximo com o mínimo de palavras para convencer 1 ou 1 milhão de leitores. Esta é a dica: use a fórmula Sujeito Verbo Complemento, sem rodeio, com simplicidade, para comunicar a ideia principal.

 

[Veja também meu curso online Comunicação Escrita: ferramenta de sucesso]

E até o próximo texto!

Blog da Escrita

Machado de Assis era negro!

Os movimentos antirracistas me inspiraram a render honrarias a um menino pobre e preto, nascido em 21 de junho 1839, em um morro do Rio de Janeiro. Esse filho de pai negro e mãe branca é – quem diria! –  Machado de Assis, fundador da Academia Brasileira de Letras. Mas em sociedades racistas, figuras de […]

Leia Mais

Língua é poder: conheça linguagens sem palavras

É por meio da linguagem que nós influenciamos e somos influenciados! O tempo todo, criamos símbolos para comunicarmos o que desejamos, pensamos e sentimos. Linguagem é tudo isso – a maneira como nos expressamos.   E o mundo tem um oceano de linguagens, como a fala e a escrita. Mas, além desses 2 aspectos, elas […]

Leia Mais

Conheça meu curso EAD : “Comunicação escrita: ferramenta de sucesso”

Como muitos já sabem, em maio vou lançar o meu curso EAD sobre como escrever no mundo profissional. Ele tem o objetivo de ajudar você a progredir em sua carreira e em sua vida pessoal por meio de aulas rápidas, práticas e relevantes. Cursos à distância têm se tornado cada vez mais comuns para quem […]

Leia Mais

Como costurar ideias: faça conexões sequenciais

No artigo anterior, expliquei como podemos costurar ideias por referência. Nele, você aprendeu a substituir nomes por pronomes. Para dar continuidade à série de conexões, hoje vou ensinar a conexão sequencial. Para recordarmos… Sempre que você quiser retomar a ideia principal do seu comunicado, lembre-se de utilizar conectores. Eles facilitam – e muito! – a […]

Leia Mais

Como costurar ideias: conecte por referência

Você escreve, escreve e apaga. Novamente tenta porque viu que o texto ficou bagunçado. As ideias não estão se conectando; mas você não desiste porque seu chefe está cobrando, e colocar no papel é urgente. Tudo bem… muitas pessoas passam por essa situação. Por isso, resolvi escrever uma série de artigos sobre CONECTORES. No primeiro […]

Leia Mais

Como tirar o melhor proveito do imperativo?

Você se sente pisando em ovos na hora de dar uma ordem por escrito, especialmente para pessoas que ocupam um lugar superior ao seu, no trabalho ou na sociedade? A maioria dos brasileiros sim! É uma questão cultural.   Não gostamos de dar e nem de receber ordens, ainda mais se for por escrito. Muitas […]

Leia Mais

Como conectar ideias

Tudo o que você escreve é uma história. Uma história que você conta para uma, ou para muitas pessoas. Pode ser um comunicado, um relatório cheio de números, um processo judicial, ou a fábula dos 3 porquinhos. Para que as suas histórias sejam bem entendidas, tenha em mente que a escrita é uma sequência de […]

Leia Mais

Como saber se escrevo com clareza

Você já escreveu algum e-mail e, logo em seguida, alguém veio perguntar o que aquele ‘textão’ queria dizer? Ou já demoraram muito para te dar um retorno porque não entenderam absolutamente nada do que você escreveu? É comum a resposta ser SIM para uma dessas perguntas. Nesta era, em que e-mails e mensagens de textos […]

Leia Mais

Como transformar uma ideia em escrita

Quando você recebe um comunicado, vai logo procurando o recado que o autor quer passar, pois você precisa captar a mensagem dele e decidir o que fazer com ela; até deletar, se for o caso. Quanto mais fácil de ler, mais rápido você segue a vida. No post de hoje, vou explicar como construir a […]

Leia Mais